dissertações

Quadrênio 2021 - 2024

Total de dissertações defendidas: 3

DISSERTAÇÕES DEFENDIDAS EM 2021

Total de dissertações defendidas: 3

Caroline da Costa Silva

Título: “DESCENDÊNCIA AFRICANA EXPRESSADA NO MEU CANTO”: O PRETOGUÊS NO RAP NACIONAL FEMININO

Orientador(a): Adriana Carvalho Lopes

Páginas: 134

Resumo

Nesta pesquisa, mostro como algumas produções do rap feminino nacional constitui o que caracterizo como sendo “pretoguês” (GONZALES, 1988), ou seja, performances linguísticas que trazem rastros (DERRIDA, 1973) de africanização – violentamente silenciadas, mas inapagáveis – na imaginação do português do Brasil. Situado no campo indisciplinar da
Linguística Aplicada (MOITA LOPES, 2006), este trabalho compreende a língua pelo viés da Nova Pragmática (SILVA; FERREIRA; ALENCAR, 2014), isto é, não como uma código neutro, mas como performances linguísticas formadas por processos socio-históricos e relações de poder. Desse modo, compreendo o rap nacional feminino como um gênero musical da diáspora africana (GILROY, 2001) por meio do qual jovens negras periféricas do universo hip-hop encenam suas próprias experiências e as suas formas de agir no mundo. Utilizando a “etnografia do texto” não apenas como método, mas como perspectiva teórica (BLOMMAERT, 2008), analiso três videoclipes disponíveis na plataforma do Youtube, “Do batuque ao bass” de Gabz, “Preta Cabulosa” de Kmila CDD e “É hype” de MC Soffia. Nesta análise, compreendo que textos trazem historicidade, ou seja, textos entextualizam (BAUMAN; BRIGGS 1990 [2006]) ou trazem índices (SILVERSTEIN, 2006) de outros contextos e projetam outros futuros. Assim, o “pretoguês” dessas produções artísticas encena a temporalidade afrofuturista e afropessimista (FREITAS; MESSIAS, 2018; WOMACK, 2013), construindo uma nova relação com o passado e com a memória africana, reinventando novos futuros para as juventudes negras do mundo contemporâneo.

Abstract

This research has shown how some productions of national female rap constitute what I called as “pretoguês” (GONZALES, 1988), i.e, linguistic performances that bring “traces” (DERRIDA, 1973) of Africanization and a black ancestry – violently silenced – in the in the imagination of Brazilian Portuguese. Situated in the indisciplinary field of Applied Linguistics (MOITA LOPES, 2006), this work understands language through the New Pragmatic approach (SILVA; FERREIRA; ALENCAR, 2014), i.e, not as a neutral code, but as linguistic performances formed by socio-historical processes and power relations. In this way, I understand female national rap as a musical genre from the African diaspora (GILROY, 2001) through which young peripheral black women from the hip-hop universe stage their own experiences and ways of acting in the world. Using the “ethnography of text” not only as a method, but as a theoretical perspective (BLOMMAERT, 2008), I analyze three video clips available on the Youtube platform, “From batuque to bass” by Gabz, “Preta Cabulosa” by Kmila CDD and “É hype” by MC Soffia. In this analysis, I understand that texts bring historicity, that is, texts entextualize (BAUMAN; BRIGGS 1990 [2006]) or bring indexes (SILVERSTEIN, 2006) from other contexts and project other futures. Thus, the “pretoguês” of these artistic productions enact Afrofuturistic and Afropessimistic temporality (FREITAS; MESSIAS, 2018; WOMACK, 2013) building a new relationship with the past and with African memory, reinventing new futures for the black youths of the contemporary world.

Keywords: Female national rap; Pretoguês; Language, African diaspora.

 

Jorruan Silva de Almeida

Título: THE FUTURE/CAPITALISM IS FLUID: MODA, CONTESTAÇÃO E POSSIBILIDADES DE RESSIGNIFICAÇÃO DAS MATRIZES NORMATIVAS DE GÊNERO

Orientador(a): Prof. Dr. Rodrigo Borba

Páginas: 128

Resumo

Este trabalho é sobre moda e fluidez identitárias, possibilidades de ressignificação, agência perante discursos reguladores do corpo, contestação de binarismo de gênero, cooptação de
identidades não hegemônicas pelo capitalismo. Entendendo moda como linguagem e em diálogo com os estudos de gênero e a teoria da performatividade, esta pesquisa procura
compreender como a apropriação, pela indústria da moda, de fenômenos contemporâneos como a não binariedade se produz semioticamente no vídeo the future is fluid, assim como essa
apropriação produz resistência. Deste modo, para a realização deste trabalho a metodologia utilizada é a multimodalidade, pois nos permite compreender e interligar as várias dimensões
dos signos extralinguísticos presentes nesta pesquisa. Desta maneira, dimensão verbal, sonora e visual constituem o discurso (Machin 2007). Com isso, conceitos teóricos como a
entextualização (Silverstein & Urban, 1996) e indexicalidade (Silversteim,2003) nos permitem, analisar e perceber como discursos/textos circulam, reiteram e se mobilizam na
contemporaneidade. A análise do vídeo the future is fluid, postado no canal da Gucci, se dará a partir da orientação da análise de imagens em movimentos de Rose (2008). Logo, este aparato
teórico-metodológico nos permitirá assim observar como os discursos de não binariedade no vídeo produzem resistência, revertendo o capitalismo por dentro. Assim, as formas de
ressignificação se dão por dentro quando a norma é enfrentada por aqueles que não se enquadram nela.

Palavras-chave: Moda, Gênero, Discurso, Ressignificação, Neoliberalismo

Abstract

This research is about fashion and its relations with identity and fluidity, possibilities of ressignification, agency towards regulating discourses of the body, contestation of gender
binarism and appropriation of non-hegemonic identities by capitalism. By understanding fashion as a language and in a constant dialogue with gender studies and the theory of
performativity, this work has the aim to show how the appropriation, by the fashion industry, of contemporary phenomena such as non-binary is produced semiotically in the video entitled
the future is fluid. In addition, we question how this appropriation produces agency and resistance. Thus, for this work, the methodology used is multimodality, as it allows us to
understand and interconnect the various dimensions of the extra linguistic signs present in this research. In this way, the verbal, sound and visual dimension constitute the discourse (Machin, 2007). As a result, theoretical concepts such as entextualization (Silverstein & Urban, 1996) and indexicality (Silvertein, 2003) allow us to analize and understand how discourses and texts circulate, reiterate and mobilize in contemporary times. The analysis of the video the future is fluid, which was posted on Gucci’s YouTube channel, will be based on the orientation of the analysis of images in movement based on Rose’s (2008). Therefore, this theoretical-methodological apparatus will allow us to observe how the discourses of non-binary in the video produce agency and resistance reversing capitalism from the inside. Thus, the forms of reframing occur inside when the norm is faced by those who do not fit it

Keywords: Fashion, Gender, Discourse, Ressignification, Neoliberalism.

 

Wisley do Carmo Vilela

Título: Subsídios teóricos para a compreensão sistêmica da tradução entre recursos semióticos não verbais

Orientador(a):   Janine Pimentel

Coorientador(a): Andrea Lombardi

Páginas: 156

Resumo

Este trabalho parte da premissa de que a compreensão dos processos tradutórios envolvendo recursos semióticos multimodais carece de um modelo teórico atualizado mais abrangente e mais consistente. Existe uma lacuna terminológica no cânone dos Estudos da Tradução que dificulta a inserção definitiva da tradução multimodal no corolário dessa disciplina. A revolução nas tecnologias de comunicação social, que ganhou força a partir da última década do século vinte e que mudou significativamente as formas de comunicação na última década, incrementou exponencialmente o uso de recursos semióticos não verbais. Esse fenômeno enseja uma reavaliação do papel do conceito de significado semântico na definição do termo “tradução” quando aplicado à tradução de recursos semióticos multimodais. Nesse nicho tradutório, encontra-se a música como código não semântico passivo de tradução de e para outras formas de expressão artística, tais como a escultura e a fotografia. Partindo da teoria dos signos, proposta por Charles Peirce, no final do século dezenove, em que a construção semântica
representa apenas uma parte do trâmite do sentido, considero o aproveitamento dessa teoria no modelo triádico de tradução, de Roman Jakobson, bem como outras relevantes considerações sobre tradução para além dos limites da significação semântica. Qual o papel da música na expressão do inefável? Como pode a música representar o sentido em obras de natureza diversa de sua própria natureza? Quão relevante é o conceito de reversibilidade nesse tipo de tradução? Quão relevante é a significação semântica na tradução de recursos semióticos não semânticos? Essas são algumas das perguntas que este trabalho procura abordar. Meu objetivo primário não supõe resolver essas questões. Antes, o propósito deste trabalho é induzir a reflexão sobre um fenômeno corriqueiro, na medida em que cada troca de informação implica algum grau de tradução multimodal. Para tanto, conduzo a análise em que fotografia e música são postas lado a lado como fonte e meta de um “projeto de tradução” de recursos semióticos não verbais. A discussão ao final deste trabalho tem o objetivo de provocar novos olhares sobre tradução multimodal e música.

Palavras-chave: música; tradução multimodal; modos textuais; inefável

Abstract

This work is based on the premise that the understanding of translation processes involving multimodal semiotic resources requires an updated, comprehensive, and more consistent theoretical model. There is a terminological gap in the canon of Translation Studies that makes it difficult for multimodal translation to be fully accepted into the corollary of this discipline. The revolution in social communication technologies, which gained strength in the last decade of the twentieth century and which significantly changed forms of communication in the last decade, exponentially increased the use of non-verbal semiotic resources. This phenomenon leads to a reevaluation of the role of semantic meaning in the definition of “translation”, when applied to the translation of multimodal semiotic resources. In this translational niche, music is found as a non-semantic code adequate for translation into and from other forms of artistic expression, such as sculpture and photography. Beginning with the theory of signs, proposed by Charles Peirce, at the end of the nineteenth century, in which semantic construction represents only part of the process of meaning, I consider the use of Peirce’s theory in Roman Jakobson’s triadic translation model, as well as other relevant contributions on translation beyond the limits of semantic meaning. How can music represent meaning in works of a nature different from its own? What is the role of music in the expression of the ineffable? How relevant is the concept of reversibility in this kind of translation? How relevant is the semantic meaning in the translation of non-semantic semiotic resources? These are some of the issues that this paper aims to address. My primary goal is not to resolve these issues. Rather, the purpose of this work is to induce reflection on a common phenomenon, as each exchange of information implies some degree of multimodal translation. To this end, I conduct an analysis in which photography and music are placed side by side as the source and target of a “translation project” of non-verbal semiotic resources. The discussion at the end of this work has the objective of provoking new perspectives on multimodal translation and music.

Keywords: music; multimodal translation; textual modes; ineffable.

 

COORDENAÇÃO

Coordenador:
Prof. Dr. Rodrigo Borba
Vice-Coordenadora:
Prof(a).  Dr(a). Branca Falabella Fabrício
Secretária:
Solange Tristão

ATENDIMENTO

segunda à sexta:
09h às 17h

Telefone:
21 3938-9701

E-mail:
laplicada.interdisciplinar@letras.ufrj.br

ENDEREÇO

Programa de Interdisciplinar de Linguística Aplicada  (PIPGLA)
Av. Horácio de Macedo, 2151. Sala F-317
Cidade Universitária — Faculdade de Letras da UFRJ.
CEP 21941-917.
Rio de Janeiro — RJ
LogoOuvidoria2 3 - Dissertações de 2021 até 2024
UFRJmarca 100 portal V3 - Dissertações de 2021 até 2024
logo letras horizontal 50 anos v3 - Dissertações de 2021 até 2024