ações afirmativas

Políticas e ações

O que são políticas e ações afirmativas?

Juntamente com os outros PPGs da Faculdade de Letras da UFRJ, O Programa Interdisciplinar de Pós-Graduação em Linguística Aplicada da UFRJ inaugurou as Políticas de Ações Afirmativas na área de Linguística no Brasil, inicialmente para indígenas e negros. Também se torna pioneiro a oferecer cotas de bolsa de estudos para indígenas e negros que ingressam por meio de Ações Afirmativas. Portanto, a partir da seleção de 2018_2, passamos a destinar parte das vagas e das bolsas para aqueles brasileiros que se autodeclararem indígenas ou negros e que sejam optantes, isto é, que desejarem se submeter a um processo seletivo especial para ingresso no Mestrado e no Doutorado. A partir de 2019, as Ações Afirmativas foram ampliadas para incluir vagas destinadas a pessoas trans e travestis assim como pessoas com deficiências.

As Políticas de Ações Afirmativas começaram a ser adotadas na seleção de 2018_2 por todos os seis Programas de Pós-Graduação na Faculdade de Letras da UFRJ. A Comissão de Pós-Graduação e Pesquisa (CPGP) da Faculdade de Letras da UFRJ, em conformidade com a Portaria Normativa n°. 13, de 11 de Maio de 2016, que dispõe sobre a incorporação de Políticas de Ações Afirmativas na Pós-Graduação, decidiu que, a partir da seleção de 2018_2, cada um dos seus Programas de Pós-Graduação reservará, para as Ações Afirmativas, 30 % do total das vagas para o Mestrado e 30 % do total das vagas para o Doutorado destinados a candidatos brasileiros que se autodeclararem indígenas, negros ou pardos, trans (travestis, transsexuais e transgêneros)e que possuam alguma deficiência desde que esses candidatos sejam optantes, isto é, desejem participar dos processos seletivos especiais, estabelecidos para as Políticas de Ações Afirmativas.

Os candidatos optantes indígenas serão avaliados em processo seletivo específico, sendo sempre isentos de prova de conhecimento específico e de prova de inglês ou de outra língua instrumental. Eles serão avaliados, aprovados ou não e classificados a partir de uma entrevista e de um dossiê, que fornecerão na ocasião da sua inscrição para a seleção e que deverá conter um memorial (com no máximo 10 páginas), relatando seu histórico de vida e sua perspectiva de estudo e pesquisa; uma autodeclaração de identidade indígena, informando o grupo indígena específico com que está identificado; e poderá conter ainda quaisquer outros documentos que julguem pertinentes, como a carteira da FUNAI, carta da comunidade e/ou carta de alguma organização indígena etc.

Os candidatos optantes negros ou pardos, trans e com deficiência serão avaliados e classificados por meio das provas do processo seletivo regular, juntamente com os demais candidatos que não se inserem em Ações Afirmativas, sendo, porém, a nota mínima exigida em cada prova dos optantes igual a 6,0 (seis), se diferenciando assim da nota mínima exigida em cada uma das provas dos candidatos que estão fora das Ações Afirmativas, que é igual a 7,0 (sete).

HEADCOORDENAÇÃO

Coordenador:
Prof. Dr. Rodrigo Borba
Vice-Coordenadora:
Prof(a).  Dr(a). Branca Falabella Fabrício
Secretária:
Solange Tristão

ATENDIMENTO

segunda à sexta:
09h às 17h

Telefone:
21 3938-9701

E-mail:
laplicada.interdisciplinar@letras.ufrj.br

ENDEREÇO

Programa de Interdisciplinar de Linguística Aplicada  (PIPGLA)
Av. Horácio de Macedo, 2151. Sala F-317
Cidade Universitária — Faculdade de Letras da UFRJ.
CEP 21941-917.
Rio de Janeiro — RJ